Insper Jr. Consulting

A sétima arte nigeriana: Nollywood

A sétima arte nigeriana: Nollywood

 A sétima arte nigeriana: Nollywood
  • 10/01/2018 /
  • Geral

Ao pensar em indústria cinematográfica, logo vem à mente da maioria das pessoas a capital americana que é referência nesse tipo de entretenimento: Hollywood. O cinema californiano ficou famoso por suas megaproduções, carregadas de efeitos especiais e investimento pesado, chegando a produzir filmes que arrecadam mais de 1 bi de dólares ao considerar as bilheterias do mundo todo. De certa forma, o poder da indústria cinematográfica americana reflete o poder do país como potência econômica; os Estados Unidos apresentam o maior PIB do mundo, alto IDH, além de apenas 14% da população estar localizada abaixo da linha de pobreza.

Todavia, poucos desconfiam que Hollywood tenha sido ultrapassada em número de produção de filmes por ano pela emergente indústria cinematográfica nigeriana: Nollywood. Com mais de 1200 filmes produzidos por ano, a produção nigeriana ultrapassa a americana (600 filmes por ano) e a Indiana (900 filmes por ano). O tamanho dessa indústria é algo curioso para um país com índices de desenvolvimento tão peculiares quanto os da Nigéria. O país africano possui IDH considerado baixo, além de mais de 60% da população viver com menos de 1 dólar por dia. Mais curioso ainda ao considerar que o país simplesmente não possui salas de cinema. O milagre desse boom cinematográfico deve-se ao surgimento de um mercado de filmes feitos para serem vendidos diretamente em DVD. E ainda mais interessante: por camelôs. Todos os filmes são vendidos nas ruas, por menos de três dólares.

A explicação para essa forma de entretenimento ter levantado presença na Nigéria remete ao seu passado histórico: após a independência, o governo nigeriano utilizou a rede de televisão e fomentou a produção de filmes que convergissem com as ideologias desse novo governo, como uma ferramenta de propaganda. Durante os anos 70, a descoberta de jazidas de petróleo na região acabou por agitar a economia e possibilitar investimentos no ramo cinematográfico. Atualmente, os filmes nigerianos buscam suprir a deficiência de produções que representem a realidade do povo africano e que valorizem a cultura local.

Além disso, vale ressaltar que, para muitos dos envolvidos nesse mercado, os filmes não são vistos necessariamente como arte ou como expressão social, mas como uma forma de comércio e fonte de renda, o que o torna alvo de muitos admiradores da sétima arte. O cinema nigeriano é o segundo setor que mais emprega na Nigéria, contribuindo em muito para a diversificação econômica e aumento, ainda que lento, do PIB.

Por: Flávia Moises, consultora da 33ª gestão da Insper Jr Consulting